advocacia criminal rj
Menu

1ª Turma fixa regime aberto a condenado por dirigir sem habilitação em SP

Por maioria dos votos, a Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu ao vidraceiro M. A. V. o cumprimento em regime aberto da pena a que foi condenado por dirigir sem habilitação. A decisão foi tomada na tarde desta terça-feira (2), nos autos do Habeas Corpus (HC 148009).

Histórico

Em março de 2014, quando conduzia uma Kombi na cidade de Ipuã (SP), M.A.V. foi surpreendido por policiais militares que constataram que a sua carteira nacional de habilitação estava suspensa. Pela prática do crime previsto no artigo 307 (violação à suspensão ou proibição de obter-se habilitação para conduzir veículo automotor) do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o juízo do Juizado Especial Criminal da Comarca de Ipuã condenou M.A.V. a 8 meses e 5 dias de detenção em regime inicial semiaberto, a 12 dias-multa e à suspensão da habilitação para dirigir.

O juiz decidiu não substituir a pena privativa de liberdade por restritiva de direitos ao verificar que o condenado era reincidente e apresentava maus antecedentes. A Turma Recursal Cível e Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo negou apelação da defesa e manteve a condenação, assinalando que a reincidência e os maus antecedentes são suficientes para afastar a substituição da pena privativa de liberdade. O Superior Tribunal de Justiça (STF) desproveu recurso em habeas corpus, afirmando que o acórdão questionado está de acordo com a jurisprudência daquela Corte.

Outro crime

Conforme os autos, M.A.V. já tinha condenação por crime de homicídio culposo na direção de veículo automotor no exercício da profissão ou atividade (artigos 302, parágrafo único, inciso IV) e lesão corporal culposa na direção de veículo automotor (303, parágrafo único), ambos do Código de Trânsito Brasileiro. A defesa, ao pedir o direito à substituição da pena privativa de liberdade, sustentou que não seria caso de reincidência específica ou de maus antecedentes e que o juiz não observou regra prevista no artigo 64, inciso I, do Código Penal. Os advogados de defesa argumentavam que houve valoração equivocada da condenação extinta em 2008 e o cometimento de delito posterior ocorrido em 2014. Assim, pediam a desconsideração da condenação anterior a fim de que a pena fosse substituída.

Julgamento

O relator do HC, ministro Marco Aurélio, votou pelo deferimento da ordem para afastar a majoração da pena-base em razão dos maus antecedentes e determinar ao juízo da execução que realizasse a conversão da pena para restritiva de direitos. Segundo ele, após os cinco anos da condenação anterior, conforme prevê o artigo 64, inciso I, do Código Penal, o benefício do esquecimento alcança não só a reincidência como também os maus antecedentes. O ministro Alexandre de Moraes votou pelo não conhecimento (julgou inviável) do HC por entender que ele é substitutivo de revisão criminal.

No voto vencedor, o ministro Luís Roberto Barroso entendeu que o fato de ter havido crime anterior não justifica a aplicação de regime diferente do aberto. “A pena é de oito meses, e, por política criminal, entendo que colocar esse homem dentro do sistema prisional, evidentemente, não é melhor para a sociedade”, ressaltou. O ministro votou pelo não conhecimento do HC, mas deferiu a ordem de ofício para conceder o regime aberto, no que foi seguido pelos ministros Luiz Fux e Rosa Weber.

EC/CR

Fonte: STF

ADVOCACIA CRIMINAL RJ

SERVIÇOS E ATENDIMENTOS

HABEAS CORPUS
Habeas corpus é um remédio jurídico para proteger indivíduos que estão tendo sua liberdade infringida, é um direito do cidadão, e está previsto na Constituição Brasileira.
Click Here
Relaxamento e Revogação de Prisões
O direito ao relaxamento ocorre quando alguma circunstância legal não é observada, e com isso a prisão se torna ilegal. Por outro lado, o instituto da revogação, não observa se a prisão foi ilegal, e sim, se estão presentes os fundamentos e requisitos dos artigos 312 e 313 ambos do CPP que autorizam a prisão preventiva, na ausência deles, e com base no princípio da inocência insculpido na nossa Constituição, é direito da defesa requerer a revogação, por entender ser a prisão a exceção.
Click Here
Atendimento junto a Delegacias Policiais
Os procedimentos em sede de delegacias, apesar de mitigarem o contraditório e ampla defesa, é um momento muito importante, uma vez que nesta fase serão colhidas as provas, depoimentos e demais peças que oportunamente poderão dar ensejo a uma denúncia por parte do Ministério Público, e por tanto, iniciar uma Ação Penal. Desta feita, é de suma importância o acompanhamento e orientação por um advogado nesta fase.
Click Here
Audiências de Custódia
Audiência de Custódia, consiste na apresentação do preso a um juiz nos casos de prisões em flagrante. Durante a audiência, o juiz analisará a prisão sob o aspecto da legalidade, da necessidade e da adequação da continuidade da prisão ou da eventual concessão de liberdade, com ou sem a imposição de outras medidas cautelares. (Fonte CNJ). Nesta oportunidade caberá a defesa demonstrar se ocorreu ilegalidade, e mesmo não ocorrendo, comprovar para o Magistrado que o acusado não preenche os requisitos dos artigos 312 e 313 CPP, e requerer a liberdade provisória.
Click Here
Plantão Judicial
O plantão judicial é voltado para os fatos excepcionais ocorridos fora do expediente Forense normal. No plantão são postulados direitos urgentes que não podem esperar, a exemplo de prisões que por um ou outro lado, se mostrem indevidas ou desnecessárias.
Click Here
JECrim – Juizados Criminais
Nos Juizados Especiais Criminais são julgados os casos de menor potencial ofensivo em que a pena máxima não ultrapasse dois anos. Neste procedimento existe a possibilidade de ocorrência de três institutos: Composição Civil dos danos, Transação Penal e Suspensão Condicional do Processo. Cada instituto deverá ser verificado de acordo com o caso concreto, estes institutos criminais possuem natureza despenalizadora, e precisam ser mais utilizados e incentivados.
Click Here
Recursos Justiça Estadual e Federal
Duplo grau de jurisdição é um princípio do direito processual que garante a todos os cidadãos jurisdicionados, a reanálise de seu processo, administrativo ou judicial, geralmente por uma instância superior, e possivelmente colegiada, ou seja, mais de um Juiz ou Desembargador. Na maioria das vezes, analisando o caso concreto, e devido o princípio do reformatio in pejus, a interposição de um recurso pode transformar um resultado prejudicial em favorável, ou melhorar o resultado que já se possui.
Click Here
Varas e Júris Criminais
Disponibilidade para atuação em todas as varas criminais no Estado do Rio de Janeiro não importando a localidade. Da mesma forma, temos advogado em nossa equipe com experiência em Tribunais de Júri nos crimes dolosos contra a vida, possuindo traquejo no que tange a este procedimento especial.
Click Here
Recursos: STJ e STF
STJ e STF são nossos Tribunais superiores e especiais, e também estão inseridos no direito do cidadão ao duplo grau de jurisdição, ou seja, a reanálise da decisão de um Tribunal de instância inferior, caso a decisão seja submetida a apreciação deles. Aqui da mesma forma opera o princípio do reformatio in pejus. O STJ atua no intuito de observar se a Legislação Infraconstitucional, quero dizer, todo texto de lei que não esteja inserida na Constituição Brasileira foi aplicada de forma correta. Por outro lado, o STF possui o intuito dever de observar se todos os preceitos constitucionais foram aplicados. Neste sentido, estes Tribunais são os melhores para se buscar a reforma de uma decisão prejudicial, contudo, repeitando o processo legal, não se pode suprimir instâncias, devendo assim a defesa percorrer todos os caminhos na busca de uma decisão favorável, desde o juiz singular até o STJ e STF.
Click Here
Vara de Execução Penal – VEP
Como fator principal, após o tombamento da CES na VEP, é necessário sempre atenção as datas, com acompanhamento constante, uma vez que elas aliadas a outras circunstâncias, podem possibilitar ao apenado o direito a progredir para um regime mais benéfico, até por fim, ficar em liberdade. Caso já tenha direito a progressão, ou a outro beneficio legal, não deixe o tempo passar, pois a liberdade é o nosso maior bem depois da vida.
Click Here
advocacia criminal rj

MARCELO VASCONCELOS © Copyright 2019 

DIREITOS RESERVADOS

WhatsApp chat